Home Notícias Geral

08.03.2018


Feliz dia da Mulher: união entre as “Mulheres do Caxixe” fortalece a agricultura familiar em Castelo

 

 

"Mulheres do Caxixe" reunidas com representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Castelo e Incaper


 

As atividades protagonizadas por mulheres são cada vez mais importantes no mundo atual. No cenário rural não é diferente. Nesse sentido, as agroindústrias familiares que se destacam cada vez pela sua contribuição social, econômica, ambiental e cultural nos locais que estão presentes.

 

A exemplo disso são as mulheres do Caxixe, em Caxixe Quente, distrito do município de Castelo, na região Sul Caparaó. O grupo, composto por seis mulheres produtoras, mostra na prática do dia a dia que a força feminina faz a diferença também no campo.

 

A união entre elas resultou, há quatro anos, na criação de uma agroindústria própria. As mulheres empreendedoras de Caxixe plantam e colhem em suas casas e processam os produtos em um espaço cedido por uma antiga escola da região.  

 

As delícias feitas por elas são variadas: pães sem fermento e “ o famoso pão de Jesus, de abobora, pão doce, de leite condensado, cebola, pão de sal; bolos d'água, de cenoura, de banana caramelizada e vários outros quitutes. " Estamos fazendo testes também com o açúcar mascavo, bolos de abacaxi, laranja e outros tipos de biscoitos. Mas, o nosso carro-chefe é o pão de cebola e o Pão de Jesus", contou Maria Luzia da Silva Rocha, atual coordenadora do grupo.

 

A produtora rural Maria Luzia da Silva Rocha, coordenadora das atividades em Caxixe, contou que, ao longo da semana, algumas das integrantes se revezam entre as lavouras de café e de milho e a agroindústria. "Eu estava acostumada a acordar cedo e cuidar só da minha propriedade. Hoje em dia eu cuido das galinhas, dos porcos, deixo o almoção pronto e vou direto para a agroindústria. E é assim todos os dias da semana. Essa foi mais uma conquista na minha vida, o que me faltava era o incentivo que tivemos, para me encorajar a começarão, disse.

 

Segundo ela, as mulheres do Caxixe se revezam para expor os seus produtos todas as quartas-feiras, bem cedinho, a partir das cinco da manhã£, na feira de Santo Andrezinho, em Castelo. " Quando a feira se encerra, as oito horas, é a vez de transitar por quase todos os pontos de venda do município. Quem nos leva de carro nos principais pontos de venda são os nossos filhos ou maridos. Hoje já vendemos para lojas, postos de saúde, farmácias, residências, escolas e vários outros pontos de comercialização, disse.

 

A margem de lucro para as mulheres ainda é simbólica porque o capital investido foi para a compra de equipamentos e para a reestruturação do local, com a ajuda da Prefeitura e de produtores locais. "Até o ano passado nós levávamos todos os materiais da nossa própria casa. já este ano, se Deus quiser, vamos colher os frutos de nossa paciência e de nosso empenho", comemorou Maria Luzia.

 

"Além de trabalharmos juntas somos amigas e nos fortalecemos todos os dias. Dividimos até o que produzimos. Quando uma de não tem bananas mais maduras ela fica responsável por levá-las para fazermos os bolos de banana, por exemplo. Nos sentimos cada vez mais valorizadas, já que com mais essa responsabilidade em nossas vidas recebemos elogios da comunidade e de nossas famílias, contou Lurdes Inês Francischeto, integrante do grupo.

 

O Início

A iniciativa se deu após diversas excursões técnicas organizadas pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Castelo (STR) e pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), em parceria com a Secretaria de Agricultura Municipal e com representantes de duas associações rurais do município de Anchieta.

 

De acordo com a economista domestica e extensionista do Incaper Cristiana Barbosa, na Época, as Mulheres do Caxixe já estavam com a ideia de montar uma agroindústria coletiva e se inspiraram nas agroindústrias " Mulheres da Prata" e  "Mulheres de Joeba", ambas de Anchieta.

 

Os encontros foram marcados por dinâmicas de grupo motivacionais, dinâmicas para trabalhar conflitos no ambiente de trabalho, reuniões circulares, palestras, outras atividades pertinentes para a formação do grupo de trabalho e para o regimento interno da agroindústria.

 

" Interessante que durante uma visita à Anchieta, as produtoras da agroindústria "Mulheres de Joeba", também solicitaram uma excursão técnica para conhecerem mais sobre as mulheres do Caxixe. Comentaram que estão acompanhando informações sobre trabalho delas e despertaram o interesse em conhecer essa experiência.  Percebo como é possível construir relações e trocas de saberes entre mulheres como uma alternativa de empoderamento feminino coletivo dando visibilidade ao trabalho de todas elas.  Assim, podemos valorizar ações e vivencias socioculturais de uma comunidade rural destacando a contribuição e o papel das mulheres rurais na esfera produtiva, reprodutiva com a mulher trabalhadora rural e mãe, responsável pelas atividades domesticas e pela produção agrícola, em prol da geração de renda em atividades não agrícolas e também agrícolas. Essa é uma marca do poder feminino das mulheres rurais. " É importante reforçar a questão da coletividade feminina e sobre o individuo no coletivo. O encontro com o outro que é diferente de mim e ao mesmo tempo é igual e tem uma história de vida semelhante que nos aproxima. Ou seja, somos todas mulheres e somos iguais até nas diferenças", disse Cristiana.

 

Segundo a economista domestica, a grande vantagem é dar visibilidade, gerar renda e, sobretudo, autonomia e autoestima a essas mulheres por possibilitar a percepção de que todo trabalho é produtivo. Essas agroindústrias e os grupos de mulheres, em suas diversas formas de constituição têm demonstrado à sociedade que as tarefas domesticas e o trabalho historicamente invisíel estão sendo os principais geradores de renda da família. Mas, ainda é preciso muitas conquistas porque devemos entender que todo trabalho realizado dentro de casa e que não gera um produto para comercialização ainda assim é trabalho produtivo.  O trabalho da casa, com os filhos, e que é fundamental para segurança alimentar da família, ainda é invisível e tido como um não trabalho. Temos que mudar essa concepção do que nomeamos como produtivo.  É o nosso desafio para sustentabilidade das novas gerações, lembrou Cristiana Barbosa.
 
 

 

Mulheres do Caxixe

WhatsApp: (28)99927-4873

 

Outros: (28)99976-3366.
 
 
fonte: INCAPER ES

 

 

Comentários


Edições


Confira todas as edições

28 3553-2333

28 99976-1113

jornalismo@safraes.com.br

 

Av. Espírito Santo, 69 - 2º Pavimento - CEP: 29.560-000 - Guaçui - ES

© Revista Safra. Todos os direitos reservados.

 

 

Todas as postagens do site SAFRA ES podem ser reproduzidas gratuitamente, apenas para fins jornalísticos, mediante a citação da fonte: Site Revista SAFRA ES.