Qua, 20 de Jan
×

Busca

COOABRIEL TOPO - 111120

Agronegócio


Especialistas traçam perspectivas para o agronegócio em 2021

O agronegócio conseguiu contornar a crise provocada pelo novo Coronavírus e não parou de produzir, apesar das perdas verificadas em alguns segmentos como restaurantes, prestadores de serviços, eventos e cadeias de produtos mais perecíveis.

Por Sociedade Nacional de Agricultura
30/12/2020 22h31

Foto: Pixabay

“O ano de 2021 será promissor para a agricultura brasileira. Teremos preço, volume de produção e investimentos para a construção da imagem do setor”. A estimativa é do diretor técnico da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) e especialista em planejamento estratégico do agro, Marcos Fava Neves.

Segundo ele, apesar das expectativas, o agronegócio precisa estar atento a alguns fatores e tendências que poderão compor um novo cenário para o próximo ano, considerando ainda questões básicas como o clima e seu impacto nas lavouras.

Durante debate virtual com o ex-ministro Roberto Rodrigues, coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas (FGV Agro), Fava estimou um forte retorno dos biocombustíveis, com demanda acelerada em países como Estados Unidos e China; considerou possíveis mudanças no comportamento do país asiático frente à recuperação de seu plantel de suínos, à demanda de grãos do Brasil (que, segundo ele, deverá crescer) e a um ambiente menos conflituoso com os Estados Unidos, e destacou que o consumo estará muito favorável para o setor.

“O consumo internacional foi algo notável em 2020. O Brasil conseguiu aumentar as exportações em meio à pandemia, mais que no ano passado. Impressionante a rapidez com que o setor se organizou com o apoio do governo”, salientou Rodrigues.

No entanto, com o consumo forte, a oferta de alguns produtos no mercado interno, como no caso do arroz, não acompanhou a mesma velocidade da demanda, causando desequilíbrio nos preços. “Acredito que um choque de oferta virá a partir de janeiro e fevereiro, para normalizar esse quadro de alta”, declarou o diretor da SNA, acrescentando que o excesso de consumo gerou inflação nos meses de novembro e dezembro.

Expectativas

“A economia brasileira deverá crescer entre 3,5% e 4%, e de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) a última projeção de crescimento para a economia mundial é de 4,2%”, complementou Fava, indicando que até mesmo o real estará mais valorizado em 2021.

Com relação a custos, o especialista observou que no setor produtivo haverá altas em razão dos insumos, mas por outro lado estimou uma otimização de despesas frente à digitalização do setor.

Ainda de acordo com o diretor da SNA, é importante acompanhar o quadro atual da pandemia. “Teremos uma segunda onda? Creio que não. A confiança deverá voltar com a vacinação”, disse.

Por sua vez, o ex-ministro da Agricultura traçou uma cenário de safras menores de café, citros e cana para 2021, e afirmou que o País precisa crescer na produção e exportação de outros produtos como leite, carne suína e pescados. Rodrigues também observou que atualmente “o produtor rural brasileiro está capitalizado e melhor preparado”.

Balanço

Ao fazer um balanço de 2020, o ex-ministro destacou que “foi um ano fora da curva”, impulsionado por um conjunto de fatores. “Câmbio e demanda favoráveis, safra recorde de grãos, boas safras de café e laranja, carnes a preços espetaculares, crescimento da demanda interna por causa do apoio do governo e boas condições climáticas foram fatores positivos”.

Para o diretor da SNA, 2020 “foi um ano surreal”, mas ao mesmo tempo trouxe grandes transformações. “Deixou para nós o legado do home-0ffice, do aprendizado digital e um saldo de maior produtividade nas cadeias”.

Segundo Fava, o agronegócio conseguiu contornar a crise provocada pelo novo Coronavírus e não parou de produzir, apesar das perdas verificadas em alguns segmentos como restaurantes, prestadores de serviços, eventos e cadeias de produtos mais perecíveis.

“Soja, milho e algodão foram os produtos mais favorecidos, que tiveram altas nas exportações puxadas pela valorização cambial. Produtores de carnes também se beneficiaram desse cenário, embora tenham sentido o impacto inflacionário da ração, em virtude do preço dos grãos e de outros insumos”, observou o especialista, que também reconheceu o bom desempenho das safras de café e laranja.

Fava lembrou ainda que as cadeias de leite e de flores foram algumas das mais prejudicadas. “Por não terem acesso ao mercado internacional, sofreram com as interrupções no País, o que ocasionou a perda de produtos, principalmente no início da pandemia”.

Fontes: FGV Agro/Doutor Agro


Comentários Facebook

Entre em contato


28 99976-1113
jornalismo@safraes.com.br

Acompanhe-nos nas Redes Sociais


SafraES

© 2018 SafraES.
Todos os direitos reservados.

© 2021. Todas as postagens do site SAFRA ES podem ser reproduzidas gratuitamente, apenas para fins jornalísticos, mediante a citação da fonte: Site Revista SAFRA ES.
Produção / Cadetudo Soluções Web