Seg, 1 de Jun
×

Busca

TORABRAS TOPO

Coronavírus


Setores de cana, flores, algodão e orgânicos são os mais atingidos pelo impacto do Covid-19

O setor sucroenergético, que antes mostrava otimismo frente à safra 2020/21, mudou suas expectativas com a chegada do novo Coronavírus e com a guerra de preços entre Rússia e Arábia Saudita no mercado do petróleo.

Por Sociedade Nacional de Agricultura
25/03/2020 11h29
Atualizado em 25/03/2020 11h30

(Foto: *Canal Rural)

Com o surgimento da pandemia do novo Coronavírus, algumas cadeias do agro no Brasil estão sendo mais atingidas pelo impacto do Covid-19. Os setores sucroenergético, de produção de flores e algodão, e hortícola (incluindo produtos orgânicos) são os primeiros mais afetados, segundo informação do diretor da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Marcos Fava Neves.

Em recente relatório sobre o impacto do Coronavírus, a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) também mostrou preocupação com outros segmentos, entre eles o de aquicultura. “A queda no consumo do food service preocupa a cadeia. A comercialização de camarão, por exemplo, teve queda de 80%, mas aumentou 20% nas vendas no varejo”, informou a entidade.

Etanol

O setor sucroenergético, que antes mostrava otimismo frente à safra 2020/21, mudou suas expectativas com a chegada do novo Coronavírus e com a guerra de preços entre Rússia e Arábia Saudita no mercado do petróleo.

Relatório divulgado esta semana pelo economista Haroldo José Torres da Silva, do Pecege – associação que gerencia os MBAs da USP/Esalq, estima uma redução da produção de etanol para 25 bilhões de litros (-24% em relação aos níveis da safra 2019/2020, ocasião em que a produção total foi de cerca 33 bilhões de litros).

“Essa redução será mais drástica na produção de etanol hidratado, enquanto que o etanol anidro acompanhará o volume de vendas da gasolina”, afirma o relatório.

“É inevitável que a redução do preço do petróleo tenha efeito negativo sobre os preços domésticos do etanol: os preços mais baixos da gasolina levarão a um aumento de seu consumo em detrimento do etanol. Aliás, o etanol hidratado vem perdendo competitividade em relação à gasolina nas bombas nas últimas semanas”.

No mercado brasileiro, em 2020, o Coronavírus e o conflito entre a Rússia e a Arábia Saudita deve implicar uma perda de receita de R$ 0,2252/litro de hidratado comparativamente a 2019.

Açúcar


Para compensar a queda nos preços do petróleo, Haroldo acredita que o setor se apoiará em uma maior produção de açúcar para a nova safra que se inicia em abril de 2020. Porém, ainda assim, as notícias não são das melhores.

“O açúcar desfrutou de uma recuperação de preços até meados de fevereiro, com o déficit global dando suporte as cotações”, afirma o economista. “Não obstante, com a disseminação do Covid-19, o preço do açúcar sofreu uma forte baixa em NY em março/2020. Há um correlação significativa e negativa (-0,67) entre os preços do açúcar e o avanço de casos da Covid-19”.

A queda recente dos preços do açúcar são derivadas, principalmente, da redução do consumo de açúcar, por conta das restrições de movimentação das pessoas em quarentena.

“A safra 2020/2021 será mais açucareira comparativamente à safra 2019/2020, num momento que haverá uma contração no consumo desta commodity, em consequência da desaceleração econômica global trazida pelo coronavírus. Ademais, há um risco potencial ligado aos embarques e escoamento do açúcar, caso portos e terminais sejam fechados como medidas para contenção do virus”, avalia Haroldo no relatório.

“Parte das usinas lançaram a estratégia adequada de fixar o preço do açúcar, e boa parte já está vendida por um preço razoável em reais”, afirma Fava Neves.

Diante do atual cenário, o Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (CEISE Br) já se mobiliza para evitar maiores impactos nas usinas, e já solicitou, por ofício, às prefeituras das cidades onde há empresas associadas, o adiamento por 90 dias do recolhimento do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

“Ações como essas são necessárias, uma vez que a indústria começou, recentemente, a dar sinais de melhora”, observa o presidente da CEISE Br, Luis Carlos Júnior Jorge.

“Este é um momento de unir forças para que as empresas resistam à inevitável redução da atividade econômica brasileira e não percam sua competitividade”. Caso contrário, adverte o presidente, “uma nova recessão será instalada”.

Áreas sensíveis


A intensificação da crise também está colocando em xeque o desempenho do setor de flores, segundo a CNA. “No caso das flores de vaso, comercializadas principalmente nos supermercados, houve redução de 50% na demanda. No caso das flores de corte, a redução já supera 70%, devido à proibição massiva de grandes eventos, redução da circulação e mesmo pela alteração momentânea do padrão de consumo das famílias, que passam a priorizar bens básicos em momentos de crise”, destacou a entidade em seu boletim.

Quanto ao algodão, informa a CNA, assim como no setor sucroenergético, o maior problema foi a guerra do petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, que derrubou os preços. “É um produto que compete com o petróleo. A fibra natural ficou mais barata e o setor têxtil vai adiar as compras em virtude do medo do desconhecido”, explica o diretor da SNA.

Outra área sensível mencionada pelo professor da USP é a de produtos hortícolas, que engloba os alimentos orgânicos. Segundo ele, “não se sabe como vai ficar o canal de distribuição desses produtos, que são perecíveis e comercializados em feiras, locais de grande aglomeração de pessoas”.

Grãos e carnes


Com relação aos produtos mais tradicionais, como grãos e carnes, a tendência é de aumento do consumo em razão do confinamento de pessoas para a prevenção da doença, porém, “são setores que passarão sem arranhões”, disse Fava Neves.

“Há uma grande expectativa de que a China venha a comprar fortemente do Brasil, diante do aumento de consumo que os chineses tiveram durante o confinamento e dos problemas nas cadeias de frangos e suínos. Esse retorno da China é muito importante para a economia mundial”, acrescentou o diretor da SNA.

O relatório divulgado pela CNA ressalta que, “ao contrário dos frigoríficos de bovinos, as plantas de aves e suínos garantiram que não vão interromper sua produção. Mas a queda no food service preocupa. As empresas já sentiram baixa de 10 a 15% nos pedidos. Por outro lado, os pedidos das redes de atacado e varejo aumentaram. Na parte da exportação, a falta de contêineres tem dificultado as vendas de proteínas animais”.

Em comunicado, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informa que os setores de aves, ovos e suínos do Brasil estão empenhados na manutenção do fluxo de oferta de alimentos para a população brasileira, em meio à crise do Covid-19, e anunciou a implantação de comitês internos para a mitigação dos impactos da crise no sistema produtivo. Dentre as medidas setoriais adotadas, as empresas intensificaram as orientações sanitárias em toda a sua estrutura.

Já a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) destaca que produção de carne bovina brasileira será cerca de 35% maior do que o consumo. A entidade garante que não há risco de desabastecimento do produto no País. De acordo com o portal CarneTec Brasil, a projeção considera a produção já contratada com as operações em andamento nas fazendas e que não pode ser interrompida, considerando a dinâmica da cadeia produtiva.

“A pandemia do Covid-19 provocou uma corrida dos consumidores aos supermercados, buscando estocar produtos com receio de que haja desabastecimento de alimentos e outros itens. A Abiec disse que o setor produtivo de carne bovina está trabalhando para garantir o fornecimento de alimentos de qualidade para clientes no Brasil e no exterior, observando a saúde dos trabalhadores e segurança sanitária da carne produzida”, informa a CarneTec.

Frutas e insumos


Ainda em seu relatório, a CNA mencionou que a demanda por frutas e hortaliças nos supermercados “cresceu de 20% a 30% nos primeiros dias de intensificação da pandemia. A comercialização no varejo representa em torno de 53% das movimentações desses produtos”.

Por outro lado, ressalta a entidade, “a procura em redes de fast food, bares e restaurante caiu drasticamente. Com a ordem de fechamento em grandes cidades, espera-se que demanda recue a níveis nunca vivenciados pelo setor”.

“Outro problema que vai afetar a todos é a questão dos insumos mais caros em reais, diante da grande desvalorização de nossa moeda”, lembra Fava Neves. No entanto, ele destaca a potencialidade do Brasil na área de alimentação.

“Para nossa sorte, o País está sentado numa fábrica de alimentos, produzindo 253 milhões de toneladas de grãos, o que dá quase três quilos de grãos por pessoa e por dia. As usinas de cana também estão processando e ajudando hospitais e órgãos públicos com fornecimento de álcool. Precisamos nos unir nesse momento, com muita engenharia e criatividade”.


Comentários Facebook

Entre em contato


28 99976-1113
jornalismo@safraes.com.br

Acompanhe-nos nas Redes Sociais


SafraES

© 2018 SafraES.
Todos os direitos reservados.

© 2020. Todas as postagens do site SAFRA ES podem ser reproduzidas gratuitamente, apenas para fins jornalísticos, mediante a citação da fonte: Site Revista SAFRA ES.
Produção / Cadetudo Soluções Web