Qua, 8 de Jul
×

Busca

SENAR

Floricultura


Flores rendem 6x mais que café para agricultora de Itarana

Por Leandro Fidelis
13/01/2020 11h16
Atualizado em 29/01/2020 16h02

*Fotos: Divulgação

A floricultura é um divisor de águas na vida da ex-funcionária pública Danieli Becali, de Itarana. Depois de atuar com gestão na área de saúde e herdar uma propriedade do pai, à beira da rodovia entre o município e Santa Teresa, a agricultura descobriu vocação para atividade e oportunidade para toda a família.

Localizado próximo à Estância Pedra da Onça, a Fazenda Vitória da JC tinha só plantações de café. Danieli buscou apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e foi até Holambra (SP), a “Capital Nacional das Flores”, para aprender com quem tinha mais experiência.

“Aprendi com os japoneses, que posteriormente vieram à minha propriedade identificar espécies ideias para suas condições”, conta a floricultura.

Desde o início, há três anos, a ideia de Danieli era encontrar outra alternativa para permanecer na roça. A escassez de água no município virou realidade. “Sabia que tinha potencial para floricultura em Itarana. Fizemos análise de terra e encaramos o desafio”.

Com apoio do marido, Fábio Covre, e do filho Daniel, de 15 anos, Danieli começou com 600 pés de rosas de corte. Atualmente, mantém de 2.600 plantas, e comercializa vasos com rosa do deserto, begônias e suculentas. São quatro estufas só com flores envasadas, cada uma com 4.000 vasos.


Os investimentos foram aumentando e, dos 10m² iniciais de área com estufa, hoje são mais de 100m². A família comercializa as flores nas feiras da agricultura familiar de Itarana, Santa Teresa e Linhares, com clientela destes três municípios e também de Itaguaçu. Por semana, são vendidas de 300 a 350 dúzias de rosas.

Danieli Becali também contou com apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/ES) para produzir com qualidade e sustentabilidade e enumera as vantagens da atividade.

“A floricultura permite fazer dinheiro rápido em pequeno espaço, tornando a propriedade produtiva. Rende seis vezes mais que o café, com alta produtividade. Em trinta dias eu já estou vendendo as flores. Em termos de agricultura sustentável e familiar, não encontrei algo que me deu renda como a floricultura”, finaliza a floricultora.

*Esta matéria faz parte do Anuário do Agronegócio Capixaba, disponível aqui na íntegra!


Comentários Facebook

Entre em contato


28 99976-1113
jornalismo@safraes.com.br

Acompanhe-nos nas Redes Sociais


SafraES

© 2018 SafraES.
Todos os direitos reservados.

© 2020. Todas as postagens do site SAFRA ES podem ser reproduzidas gratuitamente, apenas para fins jornalísticos, mediante a citação da fonte: Site Revista SAFRA ES.
Produção / Cadetudo Soluções Web