Qui, 4 de Jun
×

Busca

SENAR

Floricultura


Coleção de cactos e suculentas vira negócio em Domingos Martins

O acervo se diferencia pela raridade e beleza dos cactos, originários de desertos de várias partes do mundo. É possível levar um exemplar para casa a preços que variam conforme a espécie

Por Leandro Fidelis
17/01/2020 10h10
Atualizado em 31/01/2020 20h23

*Fotos: Leandro Fidelis/Arquivo Safra ES

O hobby iniciado na infância virou negócio para o produtor rural Werner Bruske, de Domingos Martins, na região serrana. Apaixonado por cactos e suculentas, ele deixou de apenas colecionar as plantas em casa e, há dois anos, comercializa exemplares em um empreendimento na chegada da cidade serrana. O mercado está tão aquecido, principalmente por conta da “febre das suculentas”, que o capixaba vai lançar um canal de e-commerce.

A venda das plantas é atualmente a única fonte de renda deste descendente de alemães que deixou o serviço público- já foi até encarregado de parques e jardins- para se dedicar à verdadeira paixão. Bruske tem 2.000 suculentas catalogadas e milhares de cactos de 120 variedades, mas ainda mantém a coleção pessoal e matrizes.

O acervo se diferencia pela raridade e beleza dos cactos, originários de desertos de várias partes do mundo. É possível levar um exemplar para casa a preços que variam conforme a espécie.

De acordo com Werner, todas as espécies florescem em algum período do ano. Com caules coloridos e de formatos diferentes, alguns cactos nem precisam estar floridos para impressionar por sua beleza.

Entres os mais exóticos, estão a Euphorbia Lactea cristata, bem parecida com algas marinhas, que custa em torno de R$ 1.000,00, e também a Echinopsis grussoni, cuja primeira floração só ocorre após os 50 anos de idade.

O tempo de vida dos cactos é um detalhe à parte. Segundo Bruske, dependendo da variedade, uma planta adulta pode chegar aos 100 anos. “Eu tenho algumas plantas com mais de 15 anos que tinham o tamanho de uma bola de gude.”

E nos últimos meses as suculentas se tornaram a bola da vez. Para Bruske, as plantas viraram “febre nacional e mundial”. Algumas chegam a custar R$ 500,00.

*Divulgação

O colecionador está sempre em busca de novidades em viagens pelo Brasil, Argentina e Chile e também importa sementes de qualidade dos Estados Unidos, Espanha e Alemanha. A propriedade fornece cactos e suculentas para floriculturas de todo o Estado, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia, sendo 80% vendas pela internet por meio da página do Facebook. As plantas chegam aos compradores de avião.

Werner Bruske afirma que apostar na produção de cactos e suculentas ampliou as opções de plantas decorativas no mercado. “Nas floriculturas, só se encontram as mesmas flores o ano todo. Para quem não fica muito em casa e não tem tempo de cuidar de plantas, os cactos e as suculentas são a melhor alternativa”, garante.

Para Bruske, a vantagem dessas espécies está na facilidade para cuidá-las. “São plantas que necessitam de pouca água e suportam altas temperaturas. Com as atuais mudanças climáticas e os espaços residenciais diminuindo, os cactos e as suculentas serão as plantas do futuro”.

Assim como outros produtores, Werner contribui com o meio ambiente preservando algumas espécies já extintas na natureza e desenvolvendo híbridos para garantir o melhoramento genético.

*Esta matéria faz parte do Anuário do Agronegócio Capixaba, disponível aqui na íntegra!


Comentários Facebook

Entre em contato


28 99976-1113
jornalismo@safraes.com.br

Acompanhe-nos nas Redes Sociais


SafraES

© 2018 SafraES.
Todos os direitos reservados.

© 2020. Todas as postagens do site SAFRA ES podem ser reproduzidas gratuitamente, apenas para fins jornalísticos, mediante a citação da fonte: Site Revista SAFRA ES.
Produção / Cadetudo Soluções Web